11 de novembro de 2011

Deboche


Não, Senhor!
Nada fiz com lucidez até aqui
Que me elevasse
À tua imagem e semelhança.
Nem mesmo ao me manter oculto
Sob o véu da indefinição
Para amar nas sombras,
Em silêncio,
Profundamente e sem afetação,
Apenas pelo gozo de amar.

O amor
É um deboche da razão.

2 comentários:

Cacá - José Cláudio disse...

Se amar se aprende amando como disse o Drummond, então vamos perdendo a razão serenamente. Abraços, Adlei. Paz e bem.

Ádlei Duarte de Carvalho disse...

Sim, meu amigo! O importante é nos amarmos sem exasperação!

Abraço!