21 de julho de 2010

Na pedra

Na pedra
Maria entalhada
Na pedra
A curva do rio
Na pedra
Dois caminhos surgem
Na pedra
O homem trabalha
Na pedra
Formigas desfilam
Na pedra
O destino se espanta
Na pedra
O rim se consome
Na pedra
Reluz a riqueza
Na pedra
Reside a cobiça
na pedra
A fotografia
Na pedra
A futura areia
Na pedra
O musgo fecunda
Na pedra
O peso da alma
Na pedra
O abraço do Cristo
Na pedra
O escorpião
Na pedra
Resquícios humanos
Na Pedra
A base da casa
Na pedra
A cor do jeans
Na pedra
O nada existencial
Na pedra
O vidro quebrado
Na pedra
A experiência infantil
Na pedra
A ferramenta
Na pedra
A mulher lava roupas
Na pedra
A arte se expressa
Na pedra
O substrato das eras
Na pedra
O instrumento da morte
Na pedra...

4 comentários:

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Na pedra
a realidade...

Ádlei Duarte de Carvalho disse...

É verdade... A Pedra da Realidade, né amigo! Hehehe!

Abs.

cleber pacheco disse...

Este poema me chamou a atenção desde a primeira vez que visitei o blog.

Ádlei Duarte de Carvalho disse...

Oi amigo! Fico contente!

Em breve, nosso livro, heim?

Abraço.